<$BlogRSDUrl$>

28/02/2005

Dica

A revista Desafios é feita pelo pessoal do IPEA e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e é muito boa mesmo. No site, pelo visto vocês têm acesso gratuito a todos os texto. É muito boa mesmo e acessível!
Economistas são diferentes

O caso é meio chato. Sintetizando: o reitor de Harvard, o economista Lawrence Summers, deu uma palestra sobre as diferenças de gênero no meio acadêmico-científico. Tratou da questão do porquê existem mais homens do que mulheres nas áreas de ciências exatas nas melhores universidades do mundo. Dentre os diversos motivos que ele examinou, um deles foi de que talvez, quem sabe, sei lá. houvesse uma diferença inata que favorece os homens. (Talvez o problema seja só da distribuições diferentes por gênero. Existem mais homens nas prisões, por exemplo, e ninguém diz que as mulheres são lá discriminadas. Ou seja, na média, homens e mulheres são iguais. Mas nos dois extremos da distribuição existem mais homens).

Só por dizer isso, o mundo veio abaixo. Querem a cabeça do reitor.
Bom, como eu disse, o assunto é chato e eu não tenho nada com isso. Eu só o comentei porque li um analista que atribuiu a confusão ao fato de que Summers é um economista. Ele escreve:

"Summers é um economista e não há algo como um economista sensível.... A razão pela qual os economistas são toscos (blunt) é porque para eles palavras doces são uma mera distração da razão e do auto-interesse, os únicos guias da vida."

Sei lá, achei isso um elogio.
Cenários da economia brasileira e mundial

Aqui

26/02/2005

Diversão de Final de Semana

Vejam alguns trechos da lei que instituiu o programa Desenvolver Pelotas.
Primeiro, veja o que as empresas podem ganhar:

"§ 3º - Os benefícios fiscais, relativos à atividade a ser desenvolvida pelo
empreendimento, podem ser os seguintes:
I - isenção de, até, 100% (cem por cento) do Imposto Sobre Serviços de Qualquer
Natureza (ISSQN),
II - isenção de, até, 100% (cem por cento) do Imposto sobre a Propriedade
Predial e Territorial Urbana (IPTU),
III - isenção de, até, 100% (cem por cento) do Imposto de Transmissão de Bens
Imóveis (ITBI), relativo a imóveis incorporados ao ativo do interessado,
IV - isenção de, até, 100% (cem por cento) das taxas municipais.
V- isenção de até 30% (trinta por cento) sobre o consumo de água."


(Tem outros benefícios, como terrenos, descontos no ICMS e tudo mais).

Agora vejam os critérios de concessão de benefícios:

"Parágrafo único - A Câmara Normativa, referida no caput deste artigo, emitirá
parecer fundamentado, com base nos seguintes critérios:
I - viabilidade econômico-financeira do empreendimento,
II - empregos gerados, de acordo com a natureza do empreendimento,
especialmente os que incluírem grupos sociais com dificuldades de inserção no mercado
de trabalho - como maiores de 40 anos, pretendentes de emprego sem experiência
anterior, portadores de necessidades especiais, afro-descendentes e mulheres,
III - previsão de faturamento, valor adicionado fiscal e arrecadação tributária,
IV - utilização de matéria-prima local ou de insumos de empresas locais,
V - empreendimento para a produção e comercialização de bens e serviços que:
a) se destinem à satisfação de necessidades da população de baixa renda,
b) estejam sujeitos à competição inter-regional ou internacional,
c) tragam inovação tecnológica, de processo ou produto,
d) respeitem ou melhorem o meio ambiente,
e) respeitem e preservem o patrimônio cultural,
f) preencham elos inexistentes nas cadeias produtivas instaladas.
VI - influência no desenvolvimento local e regional.
VII - possibilidade de parceria com o Município.
VIII – localização na zona rural.
IX – contrapartida social oferecida pelo empreendedor.
X – fomento ao esporte." .

Este critério X está difícil de entender. Que empreendimento será que promove o esporte? Será que um mini-golfe se enquadraria??? Outro mistério: qual é a lógica do ponto V.b? Sem ironia, juro que não descobri o sentido disso. Comentários são mais do que bem-vindos.

25/02/2005

O Coordenador Avisa



O prof. Fábio Caetano pede para que eu avise que a

matrícula da Economia será no 10/03, uma quinta-feira, das 14:30 às 21:30

.

Vocês sabem que não existe outra chance. Quem não se matricular no dia,ou não pedir que um amigo (que possua uma autorização) faça a matrícula, perde a vaga. Isto é uma determinação da Universidade.

24/02/2005

Autopromoção deslavada e promoção merecida

Acabaram de sair dois artigos deste humilde escriba: A Lei de Zipf no RS saiu na Revista Redes da Unisc; e o outro, Os critérios de retorno do ICMS no RS, saiu na Indicadores Econômicos da FEE.
O publicado na FEE está disponível para download gratuito. Uma versão mais antiga do outro artigo está disponível aqui.

Outra boa notíca é que o prof. Fábio M. Caetano publicou um ótimo artigo na prestigiosa Revista de Economia e Administração do IBMEC. Beleza!
Desigualdades

Saiu hoje, se for confiável acredito que não seja um motivo para tantas comemorações. Afinal, redução na renda da população para diminuir a desigualdade é como dar um tiro no próprio pé.
Site obrigatório

Quer saber mais sobre a economia gaúcha? Vá para o site da FEE.

23/02/2005

Ótima reportagem

Sugiro esta leitura. A parte 3, especialmente, destaca a importância dos direitos de propriedade para o crédito e até para a escolha de tecnologias.

22/02/2005

Quem diria....

Eu tenho costumo ter uma antipatia quando as pessoas enchem a boca para falar da Multidisciplinaridade, Transdisciplinardade e outras palavaras terminadas em "dade". Geralmente é um argumento para estudos rasteiros e conversa fiada.
Mas, às vezes, a gente descobre coisas impressionantes. Vejam esta: o grande Amartya Sen mostrou que haviam umas 100 milhões de mulheres a menos do esperado na Ásia. A principal suspeita é que os meninos eram melhor tratados e, portanto, sobreviviam mais do que as meninas. É a explicação mais intuitiva, né?
Bem, agora uma tese de economia em Harvard, mostrou que boa parte da diferença vem de um fato inusitado: os portadores de hepatite B tendem a ter mais filhos homens do que mulheres (1,55 para 1). Como em muitos países as taxas de contaminação pelo vírus é alta, isto explica uma boa parte do mistério das mulheres desaparecidas.
Aprendi isso, para variar, no blog Marginal Revolution.
Voltando...

Da coluna do Ancelmo Jornal Gois
"O Partido Socialista português, que venceu a eleição de domingo na terra de Cabral, defendeu, na campanha, o ensino de inglês desde o básico. Enquanto isso, no Brasil, o Itamaraty... deixa pra lá. "

18/02/2005

Eitcha!

O Diário Popular estampa na primeira página que a variaçao dos preços do material escolar é de 2600%! Uau! Só que lendo a matéria descubro que a comparação é entre produtos diferentes: eles compararam lápis simples com outros de marca ou com outros trecos.
Sugestão de manchete: "Preços das jóias variam 100000000%!!!". Basta comparar o preço de uma bijuteria de de 5 reais, com uma jóia da Tiffany, onde uma colar passa de US$40.000.

17/02/2005

Viva o Viagra!

Uma cidade inteira depende do Viagra. Calma, não é uma epidemia de distúrbio erétil. Trata-se de Barceloneta, cidade de Porto Rico, aonde está localizada a fábrica da Pfizer que faz a pílula.
Dicas

Para quem quer entrar no mercado de trabalho, aí vão as perguntas freqüentes dos entrevistadores e umas dicas (em Inglês).
Receita para fazer uma China

Esta notíca informa que a China passou os E.U.A passou como consumidor de commodities agrícolas e industriais.

Para quem fica maravilhado em saber como a China fez isso, eu apresento uma receita fácil e gratuita sobre como conseguir um desempenho semelhante a economia chinesa:

1- Pegue um pais com centenas de milhões de habitantes e faça uma revolução comunista;
2- Coloque um psicopata no poder;
3- Escolha políticas econômicas insanas durante uns 50 anos;
5- Acrescente doses generosas de repressão e ditadura durante o cozimento;.
4- Espere o psicopata morrer; (Quando mais longevo o ditador, melhores serão os resultados. Mao Tsé-Tung viveu 82 anos);
5- Desfaça tudo que o psicopata fez. Prove para ver se a repressão política ainda é necessária.

Fácil, não? Se tudo der certo, depois de 50 anos de atraso relativo, você conseguirá altas taxas de crescimento. Sirva ainda quente.

(Atenção: não tente fazer em casa. A receita pode desandar e, as vezes, fica difícil recuperar o tempo perdido.)


16/02/2005

Conheça antes que acabe

A viagem dos meus sonhos.
Mercadorias

O velho Marx escreveu que no capitalismo tudo vira mercadoria. Esta e esta notícias mostram que ele acertou.
Política

O site do meu ex-terrorista predileto. Atenção para a seção "Som na caixa"

15/02/2005

Economia das Drogas Ilegais

O Weblog do Pedro Doria tem um post sobre a Economia das Drogas e um link para uma matéria jóia do El Clarin sobre um texto recente do Gary Becker, prêmio Nobel de Economia sobre o tema.
Economia da Cultura

Vale reproduzir o comentário do George no post do Dia 13:

"É engraçado ver as "homenagens" do carnaval…sempre quase que exigindo verbas do estado homenageado…assim como também incentivos ao cinema, e por aí a fora. Com dinheiro no bolso da população, que na maior parte nunca tem para os "extras", não é necessário incentivo nenhum a cultura, já que a própria população poderia decidir que filmes ou livros "incentivar"…Por outro lado seria bem mais justo com o gosto do consumidor, porque o que não satisfizesse o consumidor naturalmente seria banido pelas leis do mercado…Agora com os incentivos, temos que aturar a "arte pela arte"…O mais incrível é que a maioria que defende ou ataca governos de acordo com a variação deste incentivo, são rotulados e respeitados como "intelectuais da cultura". E o contribuinte é que paga pela "verve artística" do povo que gosta de filmar…quero ser piloto de fórmula-1…será que o Estado banca??"

Deixa eu acrescentar os meus pitacos:
- A Lei de Incentivo a Cultura é mesmo uma das isenções fiscais mais sem sentido que já vi. Patrocina qq coisa com o meu e o seu dinheiro. Até show do Jô Soares, com ingresso caríssimo, já foi beneficiado. Os filmes brazucas são beneficiados e o preço do ingresso continua caro. Quem sai ganhando são as empresas, a "intelectualidade", e os produtore$. Quem paga é o contribuinte.

- Existe uma justificativa para o apoio do Estado. São as externalidades positivas que a Cultura traz. Mas haveria outro jeito de corrigir esta falha de mercado: dar vale-ingresso para os alunos de escolas públicas. Eles escolheriam o que quisessem. Querem ver porcaria (aos meus olhos), que vejam. Mas serão elas que exercerão seu direito de escolha. Um dia, talvez, elas terão um gosto mais sofisticado, mas não será um Goebbels de plantão que decidirá e sim elas mesmas.
Lagoa Mirim S.A.

Gestão de recursos comuns é um tema bem interessante. Esta matéria do Diário Popular relata os conflitos entre os pescadores locais e os que, ao que parece, vêm de outras regiões.
A história é conhecida: como é complicado ter direito de propriedade sobre o mar há uma tendência de sobreutilização. Todo mundo pesca, porque o custo da redução da piscosidade é dissipado por todos os pescadores. (A lógica é a mesma da conta de bar quando está previsto que a conta será rachada igualmente. Todos tendem a beber mais do que fariam se cada um pagasse apenas o que consumiu). As saídas são várias: regular o setor garantindo que apenas os pescadores locais tenham acesso (ao que parece é feita, não é?), limitar os tipos de equipamentos, ou outras formas que impeçam a sobreutilização.

Mas será mesmo que não dá para garantir os direitos de propriedade? Fico pensando se não seria possível leiloar os direitos de pesca da Lagoa Mirim, por exemplo. A empresa que comprasse teria o direito exclusivo de pesca e teria também o direito de controlar o acesso e até punir os invasores.
Já rebatendo possíveis críticas:
- Não, a empresa não acabaria com todos os peixes. Ela os preservaria como uma forma de maximizar os lucros no longo prazo;
- Os pescadores atuais, ficarão na rua da armagura? Bem, quem melhor conhece a Lagoa? É de se supor que a empresa os contrataria.

Ficou assustado com a privatização da pesca? Pense nos Pesque-pague. São, em essência, uma privatização de lagos com a cessão temporária dos direitos de pesca. E você já viu um pesque-pague ficar sem peixes? Eu não. É o velho exemplo: as galinhas nunca entrarão em extinção porque são propriedade privada; já as baleias, tadinhas, não tem dono e estão sempre correndo risco.

14/02/2005

Tecnologia

Não tem como não ficar maravilhado com os avanços tecnológicos quando em um mesmo dia eu aprendo que virus da AIDS modificados podem combater o câncer e batata transgênicas podem vacinar as pessoas contra a hepatite B, doença que mata mais de 100 milhões de pessoas por ano.
Mudança tecnológica e sexo

Um texto da ótima revista de tecnologia Wired trata de um assunto curioso: como a tecnologia gerou ganhos para as mulheres ligadas à indústria do sexo. Por todo o mundo, graças à internet e aos celulares, elas não precisam mais de um gigolô para conseguir clientes e protegê-las.

(Questão para uma possível prova de Introdução a Economia: Discuta o efeito da invenção do Viagra no mercado de prostituição masculina/feminina).

13/02/2005

Dallas, Venezuela ou Kuwait?

Da coluna do Ancelmo Góis:

"Dallas brazuca

Capital do petróleo, e nadando em dinheiro por isso, Macaé, RJ, vai construir sua cidade do samba."

Não sei não... Quando aprendo o que acontece nos municípios que recebem os royalties vindo do nada fico desconfiado. Já soube até de prefeito que, recebendo os royalties de Itaipu fez um muro de mármore no cemitério local. Não consigo imaginar maior desperdício.
Uma cidade do samba também não parece um dos melhores investimentos. Seu grande atrativo é que rende mais oportunidade$ para as prefeitura$ do que fornecer melhores serviços públicos. Os lugares ficam parecidos com os Kuwaits ou Venezuelas: ricos, com uma elite corrupta e gastando só em besteira.

12/02/2005

Lá como aqui...

... quem não é competitivo, chia.

11/02/2005

Lei de Falências

É uma tremenda mudança. Agora é esperar que os tribunais entendam e cumpram o espírito da Lei.
Aos interessados, eu sugiro este trabalho acadêmico do grande economista brasileiro Aloísio Araujo. Ele é um dos mais citados internacionalmente e, creio eu, deve ter sido professor do Prof. Nelson (Não foi?).
Chocolate

Taí uma discussão que influencia o meu bem-estar.

10/02/2005

Será que adianta?

"Perdoa". Esse pedido, ouvido em bons sambas do Paulinho da Viola, foi repetido no Fórum Social Mundial e nas reuinões do G-7. O objetivo é anular a dívida dos países mais pobres do mundo para estimular o seu crescimento.

Será que funciona? Tenho minhas dúvidas. Ok, concordo que existem débitos ilegítimos, mas creio que os problemas dos países pobres, não são financeiros e sim institucionais. Se perdoarem por perdoar, o novo ditador de plantão estará prontinho para se endividar novamente. Um Robert Mugade, o psicopata do Zimbábue, prejudica muito mais a população que qualquer dívida com o FMI.

Leiam mais aqui e aqui.

08/02/2005

Momo...
... e a economia

06/02/2005

Insólito

Vale a pena visitar o site do Banco Cental do Brasil. Mas este outro é bem mais divertido.
Uma defesa do livre-comércio

Enquanto uns lutam contra a ALCA, vejam como estes
colegas de profissão buscam o livre-comércio com os EUA. Curioso.

04/02/2005

Será?

A melhor revista de economia do mundo, a Economist escreve que o Banco Central brasileiro talvez esteja exagerando na dose de juros altos. Leia uma referência a esta matéria aqui (em Português)..

03/02/2005

Ainda não

Ao que parece a França voltará atrás na jornada de trabalho de 35 horas. A mesma jornada que os mais sonhadores dizem que irá resolver o problema do desemprego no Brasil.

01/02/2005

IBGE e Governo

Parece que a mordaça está retornando ao país, depois de vários Atos Institucionais, resolveram retomar esta forma de governar.

A mais nova façanha do governo foi a de rever as pesquisas antes delas serem publicas no IBGE. Cuidado que ao amordaçar a fonte de dados que possuímos para realizarmos pesquisa, estarão também os pesquisadores publicando e realizando pesquisas com um alto viés. E eu que pensei que o autoritarismo já havia passado.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?